Tudo em volta acontece e eu aqui. Perdida em pensamentos sem fim, desejos abafados, vontades que resistem, sonhos mortos, anjos caídos. E o que sou? Não sei... o coração anda tão confuso que dá nó. Nó nas palavras, no que faz sentido e no que me move.

Paralisada.

Fico, olho, paro, penso e não sei. Seguir? Mas como? Como deixar pra trás tudo que sonhei, tudo que amo, aquela pessoa cheia de defeitos amáveis, tudo que eu quis e, é verdade, ainda quero. Como?

Por outro lado, dúvidas. Cortantes, afiadas, cravadas em meu peito, na minha razão. Uma razão que eu mesma desconheço. Loucura? Talvez. Ou quase, um caminho bem curto, ainda que falte muito pouco. Sofro... A verdade estampada, na minha cara que continuamente dou à tapa. Verto lágrimas que muitas vezes escorrem, não mais em minha face e sim por dentro de mim, cansadas de tanto penar.
Cansada é uma descrição bem apropriada. Cansada de correr na direção contrária, parafraseando Cazuza. E como ele agora ajuda a entender-me... Meus exageros, minhas manias, minha estranha maneira de amar. De pensar nesse sentimento antes de tudo. Meu prazer mais egoísta. Orgulho? Já nem sei se o tive um dia. Doce vingança. Logo eu...
Mas o que se há de fazer é não desistir. E sigo. Alimentando a alma de sonho, com uma pureza quase infantil e idiota. Porque é da minha natureza e não há como violentar-me continuamente ao ir contra o que sou. Só me resta esperar com esperança.
Que dias melhores venham e que sejam para sempre.
Mesmo que o "pra sempre" não exista.

Trilha incidental

Enquanto espero acontecer,
enquanto espero ver no cais
Vou derramando sem querer a febre dos meus ais
Há muito tempo amor que trago dor dentro do peito
Há muito tempo a cor da solidão tingiu-me o leito
Há tanto tempo assim só eu dentro de mim
A procurar por nós e apenas uma voz
responde,
Estão agora o vazio e a saudade a sós
Há muito tempo amor que eu te sufoco em pensamento
Mas quando a noite cai traz tua imagem como um vento
Faz tanto frio aqui
só eu dentro de mim
A procurar por nós e apenas uma voz
Responde,
estão agora o vazio e a saudade a sós
Navego um mar de fado azul
angústia de um bolero
Versado em sombras meia luz soluço no meu canto
Uma canção enquanto espero
Enquanto espero acontecer
.
João Bosco - Enquanto Espero
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

INSTAGRAM

@lany__rodrigues