.:: Fins e Recomeços ::.

by - 3:10 AM


É tão estranho...
Essa época do ano chega e a gente vive a eterna sensação de que o ano voou...
Isso mesmo, é assim que as pessoas falam... o tempo passou e já nem deixamos de curtir as férias de julho e dezembro chegou como na surdina batendo na porta e exigindo passagem...
É justamente nessa época que muitos fazem a célebre pergunta:
O que eu fiz de interessante neste ano?

Pois é, admito. Eu sou uma dessas pessoas, não há como negar...
Estou aqui em plena madrugada a me indagar:
Quantas das promessas de ano novo que eu fiz na última virada eu cumpri?
Quantos dos itens da minha imensa lista de objetivos, aspirações e resoluções de 2007 eu poderei marcar como tarefa cumprida ou como objetivo alcançado?
Nem sei, porque já nem me lembro mais quais foram essas promessas. Talvez o esquecimento seja uma forma de tentar me redimir por não ter feito muito esforço para cumpri-las...
Não sei, mas...
Por outro lado acho que apesar de 2007 ter sido, confuso, ligeiro, ele também foi revelador de uma forma muito peculiar para mim.
Muitas coisas aconteceram... boas, ruins, outras apenas previsíveis.

Esse foi um ano estranho.
Vou classificá-lo como estranho porque não sei dizer se as coisas que me aconteceram, apesar da minha contrariedade, foram de fato ruins.
A verdade é que 2007, para mim, foi um ano de fechamento de ciclos... E é bem verdade que esse tipo de experiência não vem sem dor, sem a tristeza da perda, tudo graças ao nosso apego às vezes até infantil por pessoas, sentimentos e relações que já não nos servem mais.
Como persistir em uma relação onde o outro não te ama mais? Quem sabe nunca tenha te amado de fato?
Não dá...
Mas às vezes perceber o óbvio e aceitá-lo se transforma em um processo demorado, e com certeza, também doloroso.

E hoje, com a serenidade que só o tempo nos proporciona posso ver que apesar de toda dor, fiz o que havia de ser feito. Aceitei a derrota e os fatos óbvios.
Depois disso... Só nos resta levantar, sacudir a poeira, e ser consciente de que, como já dizia Vanessa da Mata em sua linda música Boa Sorte (um dos hits de 2007)...
Há tantas pessoas especiais...
E há mesmo...
O mundo está repleto delas, às vezes mais perto do que imaginávamos... Às vezes você olha tão além e procura sua sorte num horizonte distante...
No entanto essa é só mais uma forma de se iludir, porque o horizonte é apenas uma linha imaginária que se afasta quando você se aproxima.

Pois acreditem, apesar de magoada, carente e até mesmo por causa disso, em 2007 eu acabei cometendo esse terrível erro, o de buscar o inatingível. Como você já pode imaginar, não deu outra...
Novamente me magoei, chorei, caí, mas não demorei muito pra me levantar porque simplesmente entendi que não podia mais me dar ao luxo de choramingar feito criança contrariada como fiz tantas vezes. Juntei os cacos e mergulhei dentro de mim para analisar onde eu havia errado, onde eu estava errando.

A intenção foi boa, mas como já dizia minha avó, nada vem sozinho, e exatamente nessa época de crise e auto-conhecimento vivi um turbilhão... A imensa confusão interior virou reflexo em tudo... O trabalho estava sem cor, a vida, as relações com amigos e família, parecia está tudo como a bailarina equilibrista andando no meio do fio...
Tudo se transformou num espelho do que se passava por dentro de mim.

Então o que fazer? Nada.
É nessa hora que só nos resta esfriar a cabeça, procurar não mergulhar na tristeza e exercitar a paciência, e quem sabe praticar o jogo do contente...
Foi o que fiz... Cantei a plenos pulmões “É só isso, não tem mais jeito acabou, boa sorte [...] Há um desencontro, veja por esse ponto há tantas pessoas especiais...”
E voltando a falar delas...

Pois é, elas existem, estão por aí, basta que você exercite a capacidade de olhar ao redor... Tentar se permitir e relaxar... Quando você menos espera uma surpresa inusitada acontece, algo se revela e você que não esperava nada se surpreende...
Eu ainda não sei o que 2008 reserva para mim... Mas como estou vendo e comprovando, eu não vou esperar nada... Agora percebi a singela sutileza de um texto que circula na internet, e como ele explica, farei o mesmo...
Não corra atrás das borboletas, regue seu jardim e elas virão até você....

Um brinde ao inesperado!
E às diversas formas de seguir em frente!

Beijos energizantes em todos e Feliz Ano Novo!!!
Lany às 3:20 da madrugada... rs

You May Also Like

0 comentários