... Um dia eu fui ... ainda bem que fui ...

by - 9:12 PM




Sou do tempo em que a ida para a escola era a pé; o hino do Estado era cantado na entrada e os professores te esperavam na porta da sala.Sou do tempo em que elástico era o lanche da tarde; o queima era a fruta da noite e o 31 salve eu a desculpa para ir mais tarde pra cama.

Sou do tempo em que na chegada se pedia benção, com arroz e feijão era feito o capitão e refrigerante só no aniversário do vizinho.


Sou do tempo em que a Mônica era a leitura diária; o Tio Patinhas o presente de aniversário e o Ziraldo o luxo do fim do ano. Sou do tempo em que menino dormia às 21h, acordava às 7h e almoçava às 12h. Sou do tempo em que beijar na boca, só a de mamãe; casar era sonho pro 18 e ter filhos logo depois dos 20, já que com 25 já estava velha demais.


Sou do tempo em que amigos dividiam cama, quarto, toalha, calcinha e prato de comida e não viam a hora de chegar em casa para ver juntos Carrossel ou Cavaleiros do Zodíaco. Sou do tempo em que sim era Sim e não era Não; mesmo com dramatização semanal e choro seguido de soluço.


Sou do tempo em que carnaval era a matinê com fantasia de Paquita ou de Rambo no domingo ou então os 20 filmes catálogos e 7 lançamentos na promoção das locadoras – e ainda arriscando ver o pai escondendo os filmes pornôs. Sou do tempo em que chorar por amigo só quando a mãe dele o proibia de ir na sua casa, quando a recuperação do vizinho te fazia amarrar o elástico nas colunas do terraço ou quando, no aniversário dele, você nem recebeu o primeiro pedaço do melhor amigo.


Sou do tempo em que acerola, siriguela e manga verde podia se comer com sal, pimenta do reino e vinagre, e caixa de chocolate era o melhor presente de aniversário. Sou do tempo em que falar com psicóloga era coisa de maluco, tirar nota baixa significava perder metade das férias e ter piolho era motivo pra cafuné da vovó.


Sou do tempo em que ter juízo era não banhar de piscina à noite, não receber comida de estranho e não bater na vizinha quando ela te xingar daquele apelido que você mais odeia no mundo: formiga atômica! Sou do tempo em que a Xuxa era melhor que o pica pau; Angélica cantava “De blue Jeans” e tinha cabelo cacheado; criança brincava na rua até tarde da noite; gincana de colégio era o acontecimento anual e beijar na boca, só depois dos 15 anos!!


Sou do tempo em que nem o tempo era importante o suficiente pra tirar meu sorriso do rosto, saúde era pra dar e vender, cicatriz era sinônimo de aventura, pular muro e portão era especialidade da casa e vício? Só se fosse o de pegar os bonecos do meu irmão escondido e fazer deles os maridos das Barbies!




ai ai.... e o pior (ou melhor) é q é tudo verdade...




Achei esse texto na net...


You May Also Like

0 comentários